→A QUÍMICA DA CAMINHADA.

→A QUÍMICA DA CAMINHADA.

Pouco interesse pela vida, tristeza, falta de energia – esses sintomas, capazes de atrapalhar a vida de tanta gente, podem ser tratados com eficácia. Não, não estamos falando de um remédio de ponta, mas da caminhada.

A prescrição é simples: vista uma roupa confortável, calce um tênis com amortecimento e passe um protetor solar. Dirija-se ao parque mais próximo ou, quem sabe, à praça do bairro. Agora é só caminhar e curtir o bem-estar proporcionado pelo exercício. Essa receita parece fácil, mas é dificílima para quem sofre com a depressão e não tem a menor vontade de sair de casa. Apesar disso, essa turma deve se esforçar para vencer a prostração. Valerá a pena. Alguns trabalhos científicos feitos ao redor do mundo comprovam que caminhar afasta o baixo-astral causado pela doença.

A QUÍMICA DA CAMINHADA:

Essa é a teoria dos especialistas para explicar os ótimos resultados desse exercício nas depressões leves.

NA CRISE:
O cérebro do deprimido é mais pobre em serotonina e dopamina, duas substâncias que promovem a comunicação entre os neurônios. A primeira produz sensações como a de alegria, além de ser sedativa e calmante. A segunda proporciona energia e disposição.

Veja mais nessa manchete da globo.

QUEM CAMINHA:

Quando caminhamos, a massa cinzenta parece liberar dosagens maiores que as habituais dessa dupla. Mas é importante que o exercício seja freqüente para manter a disposição, no caso dos deprimidos.

PASSO-A-PASSO.
Algumas regras são essenciais para o sucesso de um programa antidepressivo, veja só:

DIA SIM, DIA NÃO.
Dê 24 horas de intervalo entre uma caminhada e outra. Essa pausa é essencial para que o corpo consiga se recompor. Mas não fique parado muito tempo além disso. Para que o exercício eleve o astral, deve ser repetido três ou quatro vezes por semana.

POR QUANTO TEMPO?
De 30 a 45 minutos. “A caminhada deve ser, de preferência, contínua”, ensina Rosa Mesquita. O fisiologista Raul Santo de Oliveira, porém, não vê problema em fracionar esse período. “Pode funcionar se você fizer três caminhadas de dez minutos”, exemplifica.

A INTENSIDADE IDEAL.
A caminhada deve ser moderada. À medida que o condicionamento físico do indivíduo ficar melhor, o ritmo poderá aumentar. Independentemente disso, alguns minutos de alongamento antes e depois das passadas caem bem.

Compartilhe com os seus amigos na rede social que mas te agrada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *